A HIDROXICLOROQUINA É EFICIENTE PARA O TRATAMENTO DA COVID- 19?

O país vive grande polêmica sobre o uso da hidroxicloroquina para o tratamento da Covid-19. Experimentos “in vitro”, com células cultivadas em laboratório, mostraram eficácia do remédio contra a infecção do coronavírus (SARS-CoV-2) [1, 2]. Porém, resultados positivos de experimentos em laboratório não asseguram que uma droga será efetiva quando usada em humanos. Estudo desenvolvido na França com 20 pacientes sugeriu a redução ou desaparecimento da carga viral em pacientes com Covid-19 pela administração da hidroxocloroquina em conjunto com a azitromicina [3]. Tal trabalho foi criticado pela baixa amostragem de pacientes. Um estudo mais recente, ao avaliar o tratamento com amostra de 1.438 pacientes com Covid-19 em hospitais de Nova York, não detectou diferenças na taxa de mortalidade entre os que tomaram hidroxicloroquina e/ou azitromicina e aqueles tratados com nenhum medicamento [4]. Porém, o grupo de pesquisadores franceses, liderado pelo cientista Didier Raoult, alegou que a droga só seria efetiva se administrada nas fases iniciais da doença. Dessa forma, eles conduziram um estudo com 1.016 pacientes, administrando a droga em estágios iniciais da Covid-19 e alegaram uma baixa taxa de mortalidade [5]. Por outro lado, um estudo conduzido com 150 pacientes em estágios moderados e leves de Covid-19 na China concluiu pela não eficácia da droga [6]. Qual estudo é o mais convincente? O primeiro com uma amostra de 1.016 paciente ou o segundo com apenas 150 pacientes? A seguir, algumas informações que podem orientar sua resposta.

Procedimento para um bom teste de medicamentos

A qualidade de um estudo clínico será assegurada se seguir alguns critérios básicos. Os principais seriam uma grande amostra de pacientes testados de uma mesma população e a existência de um grupo controle. O grupo controle é formado por pacientes da mesma população e que não tomam a medicação. Este grupo controle é imprescindível para a comparação! Outros critérios, que asseguram mais ainda a qualidade do teste, incluem: a randomização (distribuição ao acaso nos grupos testados), a administração de placebo (um comprimido inerte, como uma pílula de farinha) no grupo controle e o uso do duplo-cego (nem os pacientes e nem os pesquisadores sabem quem ingeriu o remédio e quem tomou o placebo)*.

Procedimento utilizado pelos estudos citados

O estudo liderado pelo pesquisador Raoult avaliou 1.016 pacientes de uma população de franceses e concluiu que a taxa de mortalidade é baixa. Porém, não havia um grupo controle. Sem um grupo controle podemos afirmar que a taxa de mortalidade é baixa? Por outro lado, o estudo feito pelos chineses, embora tenha uma amostra menor (150 pacientes da população chinesa), comparou dois grupos (75 receberam hidroxicloroquina e 75 não receberam o remédio). Os resultados não mostraram diferenças entre os dois grupos. Diante desses estudos, podemos afirmar que a hidroxicloroquina é eficiente?

REFERÊNCIAS

[1] Liu, J., Cao, R., Xu, M. et al. Hydroxychloroquine, a less toxic derivative of chloroquine, is effective in inhibiting SARS-CoV-2 infection in vitro. Cell Discov 616 (2020). https://doi.org/10.1038/s41421-020-0156-0

[2] Xueting Yao, Fei Ye, Miao Zhang, Cheng Cui, Baoying Huang, Peihua Niu, Xu Liu, Li Zhao, Erdan Dong, Chunli Song, Siyan Zhan, Roujian Lu, Haiyan Li, Wenjie Tan, Dongyang Liu, In Vitro Antiviral Activity and Projection of Optimized Dosing Design of Hydroxychloroquine for the Treatment of Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus 2 (SARS-CoV-2), Clinical Infectious Diseases, ciaa237, https://doi.org/10.1093/cid/ciaa237

[3] Gautret P, Lagier J-C, Parola P, et al. Hydroxychloroquine and azithromycin as a treatment of COVID-19: results of an open-label non-randomized clinical trial. Int J Antimicrob Agents. 2020. In press. DOI:10.1016/j.ijantimicag.2020.105949.

[4] Rosenberg ES, Dufort EM, Udo T, et al. Association of Treatment With Hydroxychloroquine or Azithromycin With In-Hospital Mortality in Patients With COVID-19 in New York State. JAMA. Published online May 11, 2020. doi:10.1001/jama.2020.8630

[5] Million M, Lagier J-C, Gautret P, et al. Full-length title: Early treatment of
COVID-19 patients with hydroxychloroquine and azithromycin: A
retrospective analysis of 1061 cases in Marseille, France. Travel Medicine and
Infectious Disease 2020: 101738.

[6] Tang Wei, Cao Zhujun, Han Mingfeng, Wang Zhengyan, Chen Junwen, Sun Wenjin et al. Hydroxychloroquine in patients with mainly mild to moderate coronavirus disease 2019: open label, randomised controlled trial BMJ 2020; 369 :m1849

*veja como é conduzir um experimento duplo cego em: https://www.facebook.com/entendamaisciencia/photos/a.113426723372386/140220264026365/?type=3&theater

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: